Warning: file_get_contents(): http:// wrapper is disabled in the server configuration by allow_url_fopen=0 in /home/revcorpore/public_html/wp-content/themes/corpore/single.php on line 23

Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/?ids=http://revistacorpore.com.br/revista/plastica-pos-bariatrica/): failed to open stream: no suitable wrapper could be found in /home/revcorpore/public_html/wp-content/themes/corpore/single.php on line 23
Beleza e Estética

Plástica Pos-Bariátrica

Sobra de pele, flacidez e estrias são algumas “marcas” deixadas pela cirurgia bariátrica

Perder 30, 35, 40 quilos ou mais traz infindáveis mudanças na vida de uma pessoa. Vão além do guarda-roupa – que muda totalmente –, da quantidade de comida que passa a consumir, do resgate da saúde e da qualidade de vida – antes reduzida pelo excesso de peso – à autoestima… e principalmente à forma de se enxergar diante do espelho e da nova vida.

Sobra de pele, flacidez e estrias são algumas das novas “marcas” de quem faz cirurgia bariátrica. Por isso, algumas alterações precisam ainda serem ajustadas, para que as transformações sejam completas. “Os pacientes após a gastroplastia – por perderem peso rapidamente – apresentam grande flacidez de pele, principalmente as mulheres, pois o corpo não consegue adaptar-se a tempo desse rápido emagrecimento, mesmo fazendo exercícios”, explica o especialista e doutor em Cirurgia Plástica Dr. Paulo Bettes. Quase 20% das brasileiras pesam muito mais do que deveriam – ainda têm inúmeras doenças associadas – e as cirurgias de redução de estômago começaram a ficar mais comuns, por causa de sua efetividade. De acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), somente em 2010 foram realizadas mais de 60 mil operações desse tipo no Brasil. Uma solução radical, que tem consequências na saúde, na aparência e no emocional; mas que precisa, muitas vezes, do auxílio de um cirurgião plástico para finalizar o resultado do procedimento.

Como melhorar? Quando posso ou é preciso fazer uma plástica reparadora?

A dentista Adriane Fregonezi, 41 anos, que fez a cirurgia bariátrica, conta a sua experiência: “Me adorava gordinha, me aceitava da forma que era. Até que um dia, uma pessoa me aconselhou com propriedade a procurar saber sobre a bariátrica. Eu já tinha problemas no joelho, por causa do sobrepeso e gordura no fígado, mas foi essa pessoa que me fez parar para pensar e redescobrir quem eu era. Então, fui atrás do meu verdadeiro eu”, relata.

Adriane ainda celebra que emagreceu ao todo 56 quilos, dez foram nos primeiros meses após a gravidez e os outros, após a bariátrica. Porém, como a maioria das pessoas que perdem muito peso, ela não estava completamente feliz com a imagem que via no espelho: “O que mais me incomodava – após um ano de emagrecimento – era o seio, que ficou murcho, em parte devido à perda de gordura e também por causa da gravidez. Sempre tive seio grande, e a sobra de pele me deixava com aspecto de doente”, revela ela.

Dr. Paulo Bettes esclarece que no começo, logo após a cirurgia bariátrica, o metabolismo queima mais gordura, o que faz com que logo se perca muito peso e que depois continua até atingir a meta, que é em torno de 30% a 40% do peso inicial. Após esse período, o paciente já pode se submeter às correções estéticas. Nesse sentido, o cirurgião alerta: “Atualmente, recomenda-se iniciar os procedimentos de cirurgias plásticas pós-bariátricas depois de um ano após a gastroplastia. Isso, desde que o paciente já tenha estabilizado a perda de peso”.

Foi o que fizeram a dentista Adriane e a professora de educação infantil Katleen Montes Miguel, 24 anos. Após estabilizarem a perda de peso, já procuraram um cirurgião plástico para fazer os procedimentos de retirada de pele. Adriane conta que colocou silicone e retirou o excesso de pele no seio. “Fiz também a abdominoplastia (cirurgia para retirar o excesso de pele), ficou perfeita. Mesmo depois de dez anos o corpo está bem definido, parece até que frequento academia todos os dias!”, comemora.

Katleen conta que só na região da barriga foram retirados três quilos de pele. “Eu emagreci 50 quilos com a cirurgia, 40 foram logo após e 10, ao longo dos anos. Depois da cirurgia plástica, passei a me cuidar e valorizar ainda mais”, destaca a professora, que eliminou mais 13 quilos fazendo a reeducação alimentar.

Cirurgias plásticas são necessárias em 90% dos casos

Se você está se perguntando se todo mundo que faz a cirurgia bariátrica precisa passar por outros procedimentos, Dr. Paulo Bettes explica que o “sempre” pode ser relativo. “Sempre que não estejam felizes com seus novos corpos, pois de nada adianta ter uma grande perda de peso para cuidar da saúde física (hipertensão, diabetes, problemas cardiológicos e vasculares), se a saúde mental ficar abalada”. Longe de serem um tratamento simplesmente estético, as cirurgias plásticas reparadoras, após a redução de estômago, são necessárias em 90% das mulheres. Os homens representam um número inferior, aproximadamente 45%, primeiro por apresentar uma recuperação mais rápida quando praticam atividades físicas, e em segundo é que eles são menos exigentes com a aparência do corpo.

“Após a eliminação da gordura em excesso na região abdominal, na parede e visceral, ocorre grande redução de medidas nessa região. Todavia, a pele não retrai o suficiente e cai, formando o abdômen em avental, quando o único tratamento é a abdominoplastia, cirurgia também denominada dermolipectomia. Na operação, estrias também são retiradas, pois a maioria apresenta em excesso”, afirma o especialista. Quem procura um cirurgião plástico depois de uma grande perda de peso busca ainda outros procedimentos, além dos localizados na região da barriga. Os mais comuns são: prótese de mama; levantamento de seios com ou sem prótese; lifting de braços e coxas; flancoplastia – uma opção para reduzir ou eliminar os excessos laterais do contorno corporal que ficam logo acima da nádega fazendo a circunferência da cintura –; prótese glútea; toracoplastia, no tórax e lifting facial.

A dentista Adriane fez, além da abdominoplastia, a flancoplastia, para levantar o bumbum, e lipo nas pernas. “Hoje eu teria feito plástica nas pernas, pois o resultado teria sido ainda melhor”. Já Katleen fez abdominoplastia, mamoplastia, redução dos braços e pernas. “Claro que a recuperação de uma cirurgia é dolorosa, mas faria tudo de novo caso achasse necessário. Aprendi, depois da plástica, a me valorizar ainda mais, estou no peso ideal, mas tive que aprender a comer direito. Emagrecer é uma mudança de comportamento contínua e requer apoio e orientação sempre”, relata a professora.

“A abdominoplastia pós-bariátrica bem como a mamoplastia e as outras correções são processos diferentes de uma dermolipectomia pós-gestacional, por exemplo, pois as pacientes devem ser avaliadas com muito critério, sendo indicadas técnicas diferentes das convencionais, para que reduzam os riscos e as necessidades de retoques”, alerta o cirurgião plástico.

Doutor Paulo Bettes comenta ainda que existe diferença na recuperação da pele pós-bariátrica: “Um paciente mais jovem tem melhor retração da pele, assim como pessoas com pele mais espessa, como negros e asiáticos, também”. Não são só as pessoas que perdem peso com cirurgia que procuram a cirurgia plástica para tirar o excesso de pele. Quem passa por um bom programa nutricional e atividade física emagrece uma grande porcentagem do peso total, o que também pode ocasionar a flacidez da pele. “Até 15 kg ocorre uma boa retração da pele, porém 25 a 35 kg já vai apresentar flacidez de pele em abdômen e mamas”, reforça o médico.

Vida pós-cirurgia: mudanças de atitude e comportamento

Satisfeita com o resultado, a dentista Adriane sugere: “Hoje aconselho você a encontrar a felicidade em seu verdadeiro eu, para isso recomendo que busque profissionais e especialistas; não importa a área, o importante é reparar a vida!”, declara ela.

Se o caso for saúde, emagrecimento e autoestima, Adriane recomenda tirar todas as dúvidas com os médicos. “Fui atrás de todas as informações que precisava ter com eles. Os prós e contras de cada cirurgia. É preciso saber o estado real de saúde e depois entender que é uma mudança de atitude e comportamento. Se informar com outros pacientes que passaram pelo procedimento também é fundamental”, revela a dentista.

A professora Katleen tem a mesma opinião: “Analise os médicos, equipes e verifique que dão a assistência pós-cirúrgica. O acompanhamento é um incentivo e uma forma de ajustar desequilíbrios emocionais e nutricionais que possam aparecer. Me vejo outra mulher, sou metade do que era antes, mas com muito mais essência!”, comemora ela.

+ Saiba mais

Artigos Relacionados