Warning: file_get_contents(): http:// wrapper is disabled in the server configuration by allow_url_fopen=0 in /home/revcorpore/public_html/wp-content/themes/corpore/single.php on line 23

Warning: file_get_contents(http://graph.facebook.com/?ids=http://revistacorpore.com.br/revista/palmilhas-personalizadas-na-busca-da-pisada-ideal/): failed to open stream: no suitable wrapper could be found in /home/revcorpore/public_html/wp-content/themes/corpore/single.php on line 23
Podoposturologia

Palmilhas personalizadas na busca da pisada ideal

O uso das palmilhas de podoposturologia confeccionadas através da análise baropodométrica e estabilométrica permite a correção postural do paciente e o fim das dores

Um indivíduo que não pratica atividade física regular caminha em média dois quilômetros ao dia. Portanto, permanece durante uma relevante quantidade de tempo em pé. O que muitas pessoas não sabem é que essa posição é capaz de produzir inúmeras lesões decorrentes de disfunções posturais ascendentes. Entretanto, para que uma pessoa seja portadora de uma postura eficiente ela precisa ser mecanicamente funcional, combinada a um baixo gasto energético. Ou seja, precisa ser capaz de caminhar e manter-se em pé sobre uma condição estática demandando pequeno esforço. Mas, afinal, o que é uma disfunção postural ascendente?

Para entendermos do que se trata, primeiro é fundamental conhecer que existem dois trajetos principais de transmissão mecânica de forças. “Um pode iniciar-se nas estruturas anatômicas superiores deslocando-se para os membros inferiores, outro em que as disfunções se iniciam nos pés e se perpetuam para os joelhos, quadril e coluna, podendo ir até à cabeça e articulação temporomandibular”, explica o fisioterapeuta Dr. José Lourenço Kutzke, mestre em Engenharia Biomédica e professor de Cinesiologia e Biomecânica, que trata seus pacientes através da podoposturologia, ou reeducação postural, por intermédio de palmilhas.

De acordo com o especialista, a terapêutica por meio das palmilhas de podoposturologia apresenta melhor resultado nos casos de pacientes detentores do segundo tipo de mecanotransdução (transmissão mecânica de forças), conhecida como alteração postural ascendente quando a disfunção inicia nos pés com repercussão no restante do corpo.

Para a psicóloga Ana Cristina Zugman, 58 anos, as palmilhas de podoposturologia foram a solução para as suas dores e limitações decorrentes de uma assimetria da pelve (bacia). “Tenho esse problema de nascença e uso as palmilhas há anos, pois foram a única forma encontrada para eu não sentir dores constantes no lado esquerdo do corpo, onde apresento uma diferença de quase dois centímetros”, relata a paciente, que é corredora e praticante regular de atividade física. “Procurei o Dr. José Lourenço porque depois de um tempo voltei a sentir as consequências dessa diferença, ao que ele me recomendou fazer exames específicos de imagem, além da baropodometria e estabilometria, para elaborar uma nova palmilha específica para o meu caso; e o resultado foi fantástico!”, comemora.

“Não sou mais corredora de competição, mas continuo correndo e fazendo academia regularmente; sem problema algum, uma vez que as palmilhas compensam o meu problema na bacia e algumas deformações ósseas nos pés que me causavam as dores. A “precisão” foi o diferencial desse tratamento, pois ele me otimizou 100%, não só trazendo bem-estar para o meu dia a dia, como melhorando o meu desempenho no esporte e na musculação”, salienta.

Avaliação tecnológica da pisada

O podoposturologista primeiro faz uma avaliação do paciente, seja com o objetivo de prevenção ou tratamento, por meio da análise baropodométrica computadorizada e estabilométrica. Em alguns casos especiais, solicita também outros exames de análise biomecânica, para um diagnóstico preciso. “O exame de baropodometria combinado à estabilometria consiste em um método quantitativo de avaliação da pisada com base em identificadores de pressão localizados em uma plataforma na qual o paciente pisa”, esclarece o fisioterapeuta.

Dessa forma, o software reproduz pontos identificados por meio de intensidade de cores, em formato de duas e três dimensões, no caso da baropodometria, sendo capaz de auxiliar o fisioterapeuta a identificar os seguintes aspectos: a) locais dos pés que apresentam maior pressão; b) formato pressórico dos arcos que integram a estrutura plantar; c) verificação do desenho e área da pisada tanto em condições estáticas como dinâmicas; d) análise dos padrões de supinação, pronação e neutralidade dos pés; e) prevenção de pé diabético; f) avaliação do ângulo de rotação do quadril; g) possíveis rotações da pelve e coluna; h) escolioses decorrentes de disfunções dos pés; e, i) verificação dos ângulos da formação do joanete.

Já a estabilometria, outra análise adotada por Kutzke, consiste na avaliação do centro de oscilação pressórica. “Para facilitar o entendimento, trata-se do comportamento do centro de gravidade dos membros inferiores e tronco relacionado ao equilíbrio estático e dinâmico”, explica. Esse exame tem por finalidade avaliar e tratar os seguintes aspectos: a) complementar o tratamento de labirintites; b) prevenir quedas em idosos; c) contribuir na distribuição pressórica em pós-operatórios de coluna, quadril, joelhos, tornozelos e pés; d) evitar lesões devido ao paciente sobrecarregar um membro em relação ao outro; e e) condicionar fatores de percepção postural.

Pacientes de todas as idades podem usar as palmilhas

Depois de aplicar essa tecnologia de avaliação combinada ao questionário de história pregressa e atual do paciente, bem como realizar sua avaliação postural e testes fisioterapêuticos, é iniciada a terapêutica com as palmilhas de podoposturologia. Pacientes de todas as idades podem fazer uso das palmilhas de podoposturologia, que podem ser usadas em qualquer tipo de calçado, tênis e até chuteiras.

É o caso do jogador de futebol juvenil, Alejandro Fernandes Ceranto, 14 anos, que atua no Sub-15 do Coritiba Futebol Clube. Praticante do esporte desde os 10 anos de idade, o garoto passou a apresentar dores frequentes no calcanhar, que estavam fazendo com que precisasse interromper os treinos com frequência. Embora tenha recorrido à fisioterapia, laser e outras terapias importantes na terapêutica, a única solução para o fim das dores foi o uso das palmilhas de podoposturologia. “Como a dor sempre voltava, buscamos as palmilhas e, através de exames específicos, o Dr. José Lourenço elaborou dois tipos de palmilha, uma para usar nos tênis e outra para usar nas chuteiras; foi o que resolveu!”, conta, aliviada, a mãe de Alejandro, Roseli Ceranto. Segundo o garoto, o resultado não poderia ter sido melhor. “Não sinto mais nada e não preciso mais interromper os treinos por causa da dor. Sinto conforto com as palmilhas, e até meu rendimento em campo melhorou!”, evidencia o jovem atleta.

O mesmo foi constatado pelo corretor Eugênio Skora, 53, que corre há 12 anos, participando inclusive de provas de rua. “Tinha uma tendência de jogar o peso do corpo mais para um lado e isso me prejudicava a pisada, causando dores, pois sobrecarregava mais uma perna do que outra. Depois de usar as palmilhas, corrigi a pisada, sumiram as dores e aquela sensação de amortecimento”, relata o paciente. “Além de evitar uma cirurgia, ganhei bem-estar e um melhor desempenho na corrida!”, assegura.

Entenda o método das palmilhas “inteligentes”

A podoposturologia é caracterizada como uma ferramenta de correção postural por meio do uso de palmilhas que têm como princípio estimular ou reprogramar determinados grupamentos de músculos e fáscias que integram a estrutura corporal humana.

As palmilhas são confeccionadas de maneira individualizada e personalizada, conforme a observação e estudo de todos os aspectos identificados na avaliação. No interior das palmilhas são inseridos calços anatômicos que, após serem termomoldados no pé do paciente, ganham o desenho da sua estrutura plantar para progressivamente proporcionarem a desejada evolução funcional. “Com o decorrer do tratamento é possível perceber relevante melhora, tanto nos sintomas, como também na postura do paciente”, assegura o fisioterapeuta.

Dr. José Lourenço Kutzke recomenda que, ao pensar em comprar um calçado ou mesmo uma palmilha comum para tratar inúmeras doenças – como artroses, fascites plantares, joanetes, esporões, hérnias de disco entre outras inúmeras lesões –, é preciso refletir antes. “Pense que seu corpo é único, assim como o seu tratamento precisa ser exclusivo e personalizado para apresentar o resultado esperado”, conclui o fisioterapeuta, que é um dos precursores da análise baropodométrica aplicada à terapêutica da podoposturologia no Brasil.

+ Saiba mais

Artigos Relacionados